Chove em Sampa.  É lua cheia.  Metallica no rádio.  É sexta-feira 13.  Não sou de acreditar em Freddie Krugger, Jason ou Halloween fazendo das suas em dias como hoje.  Então, como todas as sextas-feiras, lá fui eu aproveitar o meu dia livre.  Jornalzinho de manhã, passeio mais longo com o Brahma, cafezinho mais reforçado.  Oh como é bom ter um dia livre durante a semana para se sentir o único mortal que é feliz quando todos estão com “queria que fosse sábado” estampado na testa.  Para mim, sexta é sábado.  E quinta é sexta.  Uma maravilha.  Hoje fui almoçar com a Judith.  Encontro na Fnac e logo, almoço regado às histórias da viagem.  Botamos o papo em dia e eu segui meu passeio.  Fui ao Instituto Tomie Ohtake ver a exposição de Latitudes: Mestres Latinoamericanos.  Uma coleção da Femsa (empresa líder em bebidas na AL) que existe desde 1977.  Fiquei pensando quantas cervejas eu tive que comprar para eles adquirirem semelhante coleção, mas isso é outra história etílica, não é?  Tem mestres da Argentina, México, Uruguai, Brasil, Equador, Nicaragua.  Botero, Frida Kalho, Diego Rivera, Rufino Tamayo, metres da arte, que em algum momento da vida, se encontraram em um mesmo quadro latinoamericano, com situações similares e inquietações que pairavam no ar neste mundo latino.  A exposição vale pela oportunidade de poder ver ao vivo quadros que poucas vezes teremos perto.  Recomendação imperdível. 
 

Data: até 6 de abril de 2009 – de terça a domingo,
Horário das 11h00 às 20h00 (Entrada franca)
Local: Instituto Tomie Ohtake – Av. Faria Lima, 201 (Entrada pela Rua Coropés) – Pinheiros
São Paulo – SP Tel.: (11) 2245-1900
Advertisements