Era para ser um cineminha básico de fim de tarde.  Droga! Esqueci o meu guardachuvas.  Tomara que não chova…senão…Ah, já é tarde para pensar no que devi ter feito ou trazido!  Chegando ao Centro Cultural São Paulo, vejo que ã entrada há um ônibus biblioteca e como quem é atraída por um íman, entro e me deleito com os títulos.  Fico imaginanado como seria bom viajar com ele pelo mundo.  Entre os passageiros, muitos ilustres como Virginia Woolf, García Márquez, Machado de Assis, Marguerie Duras, James Joyce.  Me pergunto que conversas sairiam pelo caminho.  Chega de viagem.  Preciso pegar os ingressos para o Festival de Cinema Catalão.  O filme: La Vida Secreta de las Palabras, de Isabel Coixet.  Um dos melhores filmes que tenho visto nesses anos.  Ficou por meses no circuito comercial, mas não sei por que cargas d’água não assisti. Sabe aquelas coisas que a gente vai protelando, tipo, “vejo na semana que vem”.  Surpresa boa essa do filme.  Surpresa desde o começo.  Antes da projeção, um cara, velho, com jeito de “não-tenho-nada-a-ver-nesse-ambiente-mas-me-deram-esse-emprego-e estou-aqui-para-ganhar-o-meu-paõ”, anunciou que o filme não era falado em catalão (era um festival de cinema catalão, hello!!!),mas que as legendas eram em ´português.  A sala reclamou um pouco…duvido que alguém falasse catalão, mas a idéia é sempre reclamar, não! Direção e rotero impecáveis, Isabel Coixet é uma das grandes nesse circuito de diretores importantes do século 21.  Sabe extrair sentimento nos ambientes mais bizarros e, ao mesmo tempo, colocar o espetador no clima para sentir as venturas e desventuras dos personagens.  Sarah Polley, Tim Robins, Javier Cámara.  Atores de primeira. texto espetacular e o tema recurrente da solidão sempre abordado nos filmes de Isabel Coixet.  La Vida Secreta de las Palabrass trata dos medos internos e das mentiras e muros que vamos fazendo ao nosso redor para não vulnerabilizar ainda mais esse nosso coração sofrido.  Um filme sobre o silêncio que nos impomos para nos proteger.  Sobre 25mil ondas que vão batendo para nos lembrar que a vida não parou.  E sobre o poder do amor nesse mundo.

Engraçado que o meu amigo Rick disse: “Se todo corno se atirasse nas chamas, o mundo ia acabar”.  Ai, veio o garção e rebateu: “Um homem sem chifre é um homem desarmado”.  Grande Elias Messias!

Josef
-¿Me estaba mirando, Hanna?
Hanna
-No.
Josef
-Yo creo que sí… Veo que empieza a mentirme. Eso quiere decir que empiezo a gustarle…
(del guión de “La vida secreta de las palabras”)

Cada palvra, um segredo.  Cada segredo uma provocação.  Assim é la Vida Secreta de las Palabras.  E Tim Robbins! Alguém que vale a pena ver sempre! Se não assitiram, assistam!

Advertisements