“Poor Mr Wind-up Bird!” said May Kasahara.  “You emptied yourself out trying so hard to save Kumiko.  And you probably did save her.  Right?  And in the process, you saved lots of people.  But you couldn’t save yourself.  And nobody else could save you.  You used up your strength and your fate saving others.  All your seeds were planted somewhere else, and now your bag is empty.  Have you ever heard of anything so unfair?  I feel sympathy for you, Mr Wind-up Bird, from the bottom of my heart.  It’s true.  But, finally, it was a choice you made yourself.  Do you know what I mean”
The Wind-up Bird Chronicle, book 3, chapter 35
Haruki Murakami
 
Hoje li a última página do The Wind-up Bird Chronicle, de Murakami, e algo insólito aconteceu.  Era como se por um lado, acabasse um livro, fechasse o último capítulo desse que foi meu companheiro por um tempo, por 607 páginas e, por outro lado, abrisse um outro livro de descobrimentos, de falas, de maneiras de ver essa realidade que muito bem se funde com a ficção.  Não há como não aceitar esse convite de entrar nas profundezas do ser humano, dos diferentes “self” que temos dentro de nós.  Thank you God for I can see.  Thank you God for I can read.  Obrigada Senhor por Murakami e seu dom de escrever linhas que chegam à alma de nós, os mortais.
 
Advertisements