Há tempos queria ler o Valter Hugo Mãe, pois me parecia uma das vozes mais bonitas na literatura mundial do que vai desse século.  Sua delicadeza, seu realismo e poesía fizeram de mim uma fã, mesmo sem antes tê-lho lido.  Assim é com a literatura.  Vamos nos apaixonando com quem nos fala ao coração.  Com quem nos olha sem desviar esse olhar.  Valter Hugo Lemos é o seu nome real.  Valter Hugo Mãe é o nome artítico, poético.  Nascido em Saurimo, Angola, no ano de 1971.

Os quatro primeiros romances de Valter Hugo Mãe são conhecidos como a tetralogia das minúsculas. Escritos integralmente sem letras capitais, incluindo o nome do autor, pretendiam chamar a atenção para a natureza oral dos textos e recondução da literatura à liberdade primeira do pensamento. As minúsculas aludem também a uma utopia de igualdade. Uma certa democracia que equiparava as palavras na sua grafia para deixar ao leitor definir o que devia ou não ser acentuado.

Em 2007 atingiu o reconhecimento público com a atribuição do Prémio Literário José Saramago. O próprio Saramago considerou o romance “o remorso de baltazar serapião” um verdadeiro tsuname literário: “Por vezes, tive a sensação de assistir a um novo parto da Língua portuguesa”.  Amém Saramago.

http://www.valterhugomae.com

“Não a posso deixar aqui sozinha. não estaria sozinha. estaria sozinha de mim, que é a solidão que me interessa e a de que tenho medo. e isso nunca aconteceu. não, em quase cinquenta anos de casados, nunca aconteceu”.

“É mais do que um bom homem, é alguém superior porque soube ganhar idade da melhor maneira, retribuindo. sim, sim, não me venha dizer outra coisa, porque uma paixão nessa idade, e depois de tanto tempo juntos, é coisa de quem sabe dar.”

Advertisements